No Mangueirinho, acolhidos celebram a Páscoa com momento religioso

No Mangueirinho, acolhidos celebram a Páscoa com momento religioso

Ovos de chocolate e brinquedos também foram entregues para as crianças

Pessoas em situação de rua, acolhidas na Arena Multiuso Guilherme Paraense, o Mangueirinho, tiveram um feriado de Páscoa diferente, com momentos de lazer e religiosidade. A ação foi promovida pela Secretaria de Estado, de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster). Neste domingo (12), famílias participaram de uma cerimônia religiosa dirigida pelo grupo de oração Pão da Vida, marcado por louvores e a leitura de passagens bíblicas.

Foi um momento de muita emoção para quem assistia e também aos que participavam da atividade. Kleyde Andrade, técnica da Seaster, destacou que o momento foi mágico. “Como eles são orientados a não sair, é normal que a grande maioria já esteja ociosa e alguns até estressados, mas durante a atividade as famílias conseguiram compreender que o nosso intuito é ajudar e proporcionar momentos bons”, relatou.

R.A.S, de 33 anos, está acolhido desde o primeiro dia e afirma que os momentos religiosos eram bastante aguardados por ele. “Aqui eu tenho refletido muito sobre  a vida. Eu voltei recentemente para a igreja, me reconciliei com Deus e sempre que eu posso eu oro, falo com Ele. Ajudo também meus amigos que às vezes pensam negativo. Eu converso muito com eles, digo para orar e buscar a Deus. E é por isso que momentos como esses são importantes. Eles nos fortalecem”, destacou o acolhido.

No sábado (11), as crianças receberam roupas novas, kits de higiene, brinquedos e ovos de chocolate
Foto: Seaster / Ascom

Atualmente, 700 pessoas em situação de rua estão abrigadas, entre homens, mulheres, idosos, casais e famílias com crianças, divididas nos abrigos do Mangueirão e Mangueirinho. Atividades esportivas têm sido realizadas durante a semana, além da regularização e emissão de documentos. As ações são promovidas pelo Governo do estado, através da Seaster, Sespa, Seel e Fundação ParáPaz. 

Por Camila Santos (SEASTER)

Deixe uma resposta